Diretora do Copacabana Palace mora há 15 anos em suíte luxuosa

Ela mora no trabalho e trabalha em casa. É assim que vive Andréa Natal, a diretora-geral do Belmond Copacabana Palace: no hotel

A diretora-geral do hotel, Andréa Natal, na entrada do anexo onde mora 

Mais impressionante do que há 20 anos trabalhar no Belmond Copacabana Palace (há cinco como diretora-geral) é por 15 anos morar… No hotel! Assim, Andréa Natal, natural de Petrópolis e maior nome do endereço mais emblemático da hotelaria nacional, busca deixar o hotel com cara de casa e sua casa sem cara de hotel.

A famosa piscina do Belmond Copacabana Palace
A famosa piscina do Belmond Copacabana Palace

No décimo andar do anexo do Copa – mito inaugurado em 1923 – fica seu apartamento de 120 m². Uma ampla sala, as suítes dela e do filho Louis, de 22 anos, uma pequena copa e duas varandas: eis a configuração do espaço que transpira espontaneidade, afeto, vivências e amor pelo trabalho. “O Copa é um oásis, transporta você a outros lugares, como Portofino”, diz. “Minha casa é meu refúgio, não me sinto dentro do hotel. Em dias nublados, me lembra Paris.”

O estar arejado conta histórias pessoais – sofá confeccionado pela Kappah, almofadas listradas da H.Stern Home, poltronas, luminária de piso e mesa lateral (à dir.) garimpadas em leilão do Copa, mesa e luminária de vestido (à esq.) vindas de Tiradentes, passadeira da By Kamy e, na parede, obras de Carlos Vergara

Andréa adora luz. Seu canto é claro, tem clima de praia e uma miríade de lembranças travestidas de objetos, fotografias e obras de arte. No décor, concebido por ela com a ajuda de Suzana Millman, boa parte do mobiliário foi arrematada em leilões do hotel.

Andréa lê jornais na varanda, que tem mobiliário da Mac, paisagismo em vasos de Cris Mendes e, ao fundo,uma das fachadas do hotel

Sexagenária, a caixa de costura de jacarandá, sobre a mesa de centro, vem da época
do casamento de Dora e Luiz Carlos, seus pais. A girafa de sandálias de borracha recicladas foi adquirida da Ocean Sole, ONG do Quênia, enquanto a gola usada por ela no Carnaval de 2010, o primeiro após vencer um câncer, está hoje emoldurada no hall e traz recordações de Carlo Mascheroni, figurinista que a confeccionou, e de um novo ciclo.

Caixa de costura de jacarandá (à dir.) herdada da mãe

A oportunidade de morar ali surgiu em 2002 e caiu como uma luva para Andréa, que vivia num apartamento em Laranjeiras e passava horas no trânsito. “Com a estrutura do hotel, passei a não ter algumas preocupações de dona de casa. Eu podia almoçar e jantar com meu filho”, conta.

A tag revela um Copa pet friendly

“Fico mais disponível para o trabalho, mas gosto muito do que faço.”

 

Cena da famosa piscina junto à Pérgula

Tanta dedicação não impede que a diretora, que mantém um rancho na serra fluminense, colecione deliciosas histórias em seu território privado – e não menos no público.

A cabeceira arrematada em leilão do hotel – assim como a cômoda e a poltrona posteriomente vestida com capa de sarja – recebeu colchão Serta e colcha e almofadas da Zara Home

Andréa é festeira confessa. “Adoro gente na minha casa. Fim de festa todo mundo vem para cá. Faço ovo mexido e tapioca, sirvo queijo”, diz. As celebrações não raro terminam com uma “mangueirada” na varanda, seu lugar preferido, ao lado de sua cama. Mario Testino é um dos habitués. Marco Antônio de Biaggi também, assim como foi Hebe Camargo. O ator Gerard Butler já subiu para um pré-drinque.

A madeira predomina nos elementos da sala de estar, como se vê no aparador-bar da Elle et Lui Home, que exibe lembranças de viagens, peças de família, balde de maçã encontrado em antiquário da rua Siqueira Campos e flores da Flor’Art – na parede, talheres emoldurados que foram da mãe de Andréa, e, ao lado, a girafa produzida pela ONG Ocean Sole, do Quênia, que recicla sandálias flipflop encontradas no mar

Lá fora, são dezenas de passagens, como a da filha de Stevie Wonder, Aisha, que se viu sem budget para arrematar um vestido (caríssimo) na boutique local. “Enquanto ela pedia autorização para o pai e ele tentava demovê-la da ideia da compra, tomei o telefone e comecei a cantar: ‘Isn’t she lovely’...”.

Com a maltês Chanel, Andréa aproveita o conforto do sofá com almofadas amarelas trazidas do Marrocos

A voz bonita e forte de Andréa entrega: ela gosta de cantar, mas sua fixação é mesmo pedalar. Acorda às 5h30 da manhã e, dois dias por semana, sobe de bicicleta até a Vista Chinesa (aos sábados e domingos, elege outros trajetos).

O hall de entrada, onde a moradora estaciona a inseparável bike coma qual faz a subida até a Vista Chinesa

Às 8h30 está pronta para o ofício e às 22h, para dormir, não sem antes lanchar, assistir ao Jornal Nacional e ler. Detalhes que ela relata com brilho nos olhos e só interrompe quando fala um “para, Chanel!” – um pito na carinhosa maltês que, como ela, tem o privilégio de morar num dos hotéis mais glamourosos do mundo.

Aquarelas de Portinari, pertencentes ao hotel e alocadas no estar
Frutas e tapioca, cardápio infalível no café da manhã
A mesa de jantar foi decorada com arranjo da Flor’Art
No hall, a gola criada por Carlo Mascheroni e usada por ela no Carnaval de 2010 surge emoldurada

Casa de praia tem decoração atemporal na Austrália

Morada aposta no contraste entre preto e branco para manter a elegância com o passar dos anos

A fachada lembra uma escuna para navegar sobre o mar que abraça Bronte, bairro pouco badalado no litoral de Sydney. Os moradores preferem que a calmaria seja mantida por ali, e na mesma sintonia escolheram o contraste clássico entre preto e branco para os interiores. Por isso, o projeto do escritório australiano Luigi Rosselli apostou no impacto de uma arquitetura de ângulos incomuns.

O desenho do arquiteto Corrado Palleschi e da designer de interiores Alezandra Donohoe traz uma ausência de quinas que torna tudo mais interessante. Parece mesmo um barco pronto para avançar no mar da Austrália, mas muito elegante.

A área externa tem uma vista alucinante para o oceano – mas não mira apenas no horizonte. A piscina convida a um banho de sol sobre a água, em uma espreguiçadeira fixa. Também no térreo há uma lareira para os dias de frio, que não são muitos por ali.


Dentro da casa, o jogo entre branco e preto aparece a todo momento. Especialmente na escadaria principal, que dá acesso ao living no segundo andar, onde a escada de madeira escura parece flutuar na luz, com guarda-corpo de vidro. Na sala de jantar, piso de madeira ebanizada, mesa e cadeiras contrastam com as cortinas de um branco puro. Basta abri-las para surgir o azul aceso do mar, na paisagem.

 
No terceiro andar estão os dois quartos da jovem família. Um dos banheiros tem luminárias de Tom Dixon, e se firma no mesmo jogo atemporal de tons claros e escuros, em materiais nobres. Uma casa feita para resistir ao tempo com elegância.

Casa barata com pinta de cara

Arquiteto comprova: vale a pena investir em charme

A melhor maneira de comprovar uma teoria é sempre na prática. Foi com esta premissa em mente que o arquiteto Neal Schwartz, radicado em São Francisco, construiu um lar em Sonoma, na Califórnia, para passar os fins de semana com seu marido, Ron Flynn, e os dois cães do casal. “É sempre possível usar todas as coisas que não têm preço – a luz, a vista – para agregar valor aos recursos financeiros investidos,” explica o arquiteto, que constantemente busca maneiras de aumentar a sensação de amplitude em seus projetos.

Após ver muitos clientes lutarem contra a cruel dúvida quanto a optar pelo pré-fabricado – mais barato e impessoal -, ou pelo personalizado – mais interessante, porém também mais salgado -, Schwartz, professor na California College of the Arts e dono do escritório Schwartz and Architecture, resolveu pôr fim ao debate. “Eu queria ir de encontro à ideia de que a única maneira de conseguir bom design por um preço acessível é escolhendo o pré-fabricado, e também contrariar a crença de que personalizado é sinônimo de chique.”

Apesar de o resultado não ser o que se pode chamar de barato, o preço não foge muito do custo de um pré-fabricado de alta qualidade. Já o charme dado ao lar pelas mãos de Schwartz… este é inestimável.

A beleza natural do entorno foi extremamente bem aproveitada por meio de diversas janelas e portas de vidro. Os itens de decoração também esbanjam charme, apesar de suas origens singelas. As mesas de centro da sala de estar foram confeccionadas a partir de pedaços de tronco de cipreste aos quais o arquiteto adicionou pequenas rodas. A luminária da sala de estar também é resultado dos próprios esforços manuais de Schwartz. E os charmosos quadros de pássaros no mesmo ambiente? São páginas recortadas de um livro.

Estamos convencidos, Sr. Schwartz.

 

Piscina a 35 metros de altura conecta prédios em Londres

A 35 metros de altura, esta piscina irá te deixar literalmente flutuando pelo centro londrino.

Se você tem medo de altura, talvez seja melhor evitar dar um mergulho nesta piscina suspensa. O novo projeto das empresa Embassy Gardens e Ballymore pretende unir dois prédios residenciais de 10 andares com uma piscina de 25 metros bem no centro de Battersea, em Londres.

Com previsão de conclusão para o final de 2018, os construtores afirmam que ela será a primeira “sky-pool” deste tipo no mundo. Quem mergulhar nessa piscina suspensa terá uma visão de cerca de 35 metros de altura, graças ao material transparente com o qual ela será construída. O mais incrível de tudo é que apenas 20 centímetros de vidro separarão você da superfície.
Os moradores dos edifícios, onde cada apartamento está avaliado em cerca de £ 602,000, terão livre acesso à piscina e poderão nadar entre os dois prédios. Além da piscina, uma área de lazer com bar e spa em um incrível skydeck, que terá como vista a casa do Parlamento Britânico, fará parte do projeto.

Os responsáveis pela empreitada ousada garantem que a piscina será totalmente transparente e livre de estruturas. “A ideia de fazer essa piscina surgiu de um desejo de acabar com as fronteiras da construção e da engenharia. Eu queria fazer algo que nunca tivesse sido feito antes”, disse Sean Mulryan, presidente da Ballymore. “A experiência dessa piscina será verdadeiramente única. As pessoas vão se sentir como se estivessem flutuando no centro de Londres”, completou.

9 dicas para aproveitar espaço em uma cozinha compacta

Quando o espaço é enxuto, sabemos que cada pedacinho deve ser bem aproveitado. Ainda mais em se tratando de cozinha, um cômodo que conta com muitos acessórios, eletrodomésticos e precisa de um bom espaço para o preparo dos alimentos. O Houzz reuniu dicas – algumas delas ilustradas em espaços maiores, mas adaptáveis a pequenos ambientes – para você tirar o melhor proveito do seu cômodo.

1. Use gavetas, não portas


Elas permitem fácil acesso aos itens guardados, facilitam na organização e deixam o ambiente mais chique e ordenado (mesmo que por dentro esteja uma grande zona).

2. Tenha uma pequena bancada para café da manhã

Se você não tem espaço para uma mesa, considere sacrificar um armário para construir uma bancada que sirva para você fazer refeições rápidas sentado. Elas não adicionam volume extra ao espaço pequeno.

3. Priorize o posicionamento perfeito


Se o seu cômodo tem um layout em forma de U, veja se o posicionamento de gavetas e armários não vai atrapalhar o uso de nenhum aparelho ou até mesmo a circulação no ambiente.

4. Opte por estantes inteligentes


Pense além das opções óbvias. Esta estante modular que pode ser acessada pelos dois lados permite que a luz passe através dela e ainda dá um charme extra ao ambiente.

5. Evite puxadores grandes e pesados


Eles não ocupam espaço propriamente dito, mas visualmente podem deixar o ambiente carregado e poluído. Invista em opções que sigam a linha dos móveis e que sejam claros.

6. Escolha eletrodomésticos menores


Hoje em dia há muitas opções no mercado. Opte por aqueles que vão se encaixar melhor no seu cômodo sem sacrificar espaço de armários e circulação.

7. Aproveite todos os espaços para armazenamento


Dependendo do formato da cozinha, vale a pena instalar um banco que, em muitos casos ocupa menos espaço do que as cadeiras. Mas, não se esqueça de aproveitar o espaço embaixo deles para criar gavetões que podem guardar grandes panelas e alguns alimentos.

8. Aposte em armários que vão até o teto


Além de criar mais espaço para armazenamento, você evita aquele vão entre os armários e o teto que só serve para acumular poeira.

9. Olhe para as paredes


Quando o espaço é uma questão, vale a pena fazer bom uso das paredes. Instale prateleiras, pegboards e alças para alocar utensílios. Você pode liberar bastante espaço para guardar outras coisas em suas gavetas e armários.

O NOVO APARTAMENTO DE 20 MILHÕES DE DÓLARES DE GISELE BÜNDCHEN E TOM BRADY

Localizado no bairro Tribeca, em Nova York, o apartamento faz parte de um luxuoso condomínio chamado 70 Vestry

Sim, a über modelo Gisele Bündchen e seu marido, o jogador de futebol americano, Tom Brady, tem mais um endereço fixo. Dessa vez, um apartamento de 460 m², avaliado em 20 milhões de dólares, nos últimos andares do condomínio de luxo 70 Vestry, em Nova York, nos Estados Unidos.

Além da metragem exorbitante para os padrões da cidade, o novo lar conta com ambientes e recursos exclusivos. Além dos cinco quartos, há academia de ginástica, sauna, espaço para café, piscina, salão de festas e, claro, uma brinquedoteca para as crianças. Na parte externa, o terraço oferece uma vista incrível para o Rio Hudson, um dos cartões postais da cidade.

A família terá acesso ao prédio por uma entrada exclusiva, justamente com intenção de afastar paparazzi e curiosos.

O prédio, feito de mármore, foi projetado pelo renomado arquiteto americano Robert A.M. Stern, e deve ficar pronto apenas em 2018.
A fachada do prédio, feita de calcário e mármore, promete ser luxuosa como o seu interior.


Entre os muitos ambientes, a família Bündchen terá uma biblioteca exclusiva


Essa é a projeção de uma das salas


Não vai faltar espaço para receber os amigos no terraço


Cozinha e sala de jantar são integradas


Piscina com raia olímpica

Assim como terraço, o living também oferece vista privilegiada para o Rio Hudson


Nada mal acordar com uma vista dessas, não é mesmo?


Projeção do banheiro principal

Dicas para alugar um imovel por temporada

1 – Nos aluguéis por temporada, é comum as pessoas acertarem o negócio sem jamais ter visto o imóvel, tendo apenas fotos de divulgação como referência. É verdade que, muitas vezes, a distância impede uma visita prévia, já que a casa ou apartamento pode estar em outra cidade ou estado. Mas isso não é o recomendável. Os problemas mais frequentes surgem quando o imóvel não corresponde à descrição fornecida.

2 – Uma boa alternativa é pedir dicas e referências a amigos que já alugaram ou conhecem algum imóvel na região que você deseja. Outra opção é pedir ao proprietário indicações de outras pessoas que já se hospedaram no local e entrar em contato com elas. Se for necessário, solicite mais fotos, especialmente do interior.

3 – Não deixe sua pesquisa para a última hora. Especialmente em época de alta temporada e feriados prolongados, isso é essencial, porque você terá mais opções e não corre o risco de encontrar as melhores ofertas já ocupadas.

4 – Procure um corretor na cidade escolhida e converse com ele sobre suas necessidades, o tipo de imóvel que procura e as características das quais você não abre mão, como proximidade ou não da praia, fácil acesso, número de quartos, etc. Cheque se a região, em alta temporada, sofre com problemas de abastecimento de água, comércio sem estrutura ou trânsito intenso, evitando transformar suas férias num pesadelo.

5 – Tente descobrir também que tipo de estabelecimentos tem no entorno, como clubes, feiras livres, bares movimentados, templos religiosos, para que sua estada possa ocorrer sem transtornos.

6 – Se você tem um animal de estimação e pretende levá-lo, cheque se a presença deles é permitida. Se o imóvel selecionado fica dentro de um condomínio, informe-se sobre o regulamento interno e se você e sua família vão poder usar a piscina, sauna, etc.

7 – Não se esqueça de perguntar sobre roupa de cama e banho. Muitos locadores as fornecem. Esclareça também se é você quem vai arcar com o consumo de luz, água, telefone e gás. Na maioria dos casos, ele está embutido no valor do aluguel, mas isso não é regra.

8 – Faça uma vistoria detalhada no imóvel, se possível junto com o locador. Relacione tudo que ele contém: utensílios domésticos, aparelhos eletrônicos, móveis e eletrodomésticos. Anote a quantidade e o estado de conservação de cada um. Verifique também os chuveiros, piscina, sauna e banheiras de hidromassagem, caso existam. Se alguma coisa não estiver funcionando, comunique imediatamente ao proprietário.

9 – A Lei do Inquilinato determina que o contrato de aluguel por temporada deve conter, obrigatoriamente, esta relação de móveis e utensílios e o estado em que se encontram. Portanto, não tenha constrangimento por reclamar se encontrar qualquer problema.

10 – Não deixe de fazer um contrato de locação, ainda que o período de aluguel seja curto. É um instrumento de segurança para as duas partes. Além da lista de bens disponíveis no imóvel, o contrato deve ter também seus dados pessoais e os do proprietário, o período de vigência, o valor a ser pago e a localização do imóvel.

11 – O proprietário pode cobrar o valor do aluguel de uma só vez e antecipadamente e ainda exigir algum tipo de garantia: fiador, seguro-fiança e caução, o mais comum. Mas atenção: por lei, o prazo de locação por temporada é limitado a 90 dias.

12 – Se depois do período estipulado no contrato você permanecer no imóvel, sem oposição do locador, por mais de 30 dias, a locação fica automaticamente prorrogada por tempo indeterminado, não podendo mais ser exigido o pagamento antecipado. Nesse caso, então, passam a valer as condições convencionais de aluguel.

13 – Respeite o número máximo de pessoas permitido para o imóvel. Inquilinos excedentes muitas vezes podem ser barrados já na entrada. Evite aborrecimentos para você e o locador.

Aluguel residencial tem alta

              Após quase dois anos, preço médio mostrou elevação

Segundo pesquisa realizada pelo Índice FipeZAP, o preço de locação residencial no Brasil registrou um aumento nominal de 0,17% em janeiro de 2017. De acordo com dados, esse foi o primeiro aumento nominal depois de 20 meses.

Porém, mesmo com esse aumento, quando comparado com janeiro do ano passado, a variação acumulada é de 2,90%.

Levando em consideração a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) que é de + 5,35%, o Índice FipeZAP teve uma queda real de 7,48% no período.

Todas as cidades monitoradas pelo índice mostraram resultados inferiores à inflação nesse mesmo intervalo de tempo, sendo que apenas em Santos não houve queda nominal no preço médio de locação.

Comparando-se o preço médio de locação com o preço médio de venda dos imóveis, é possível obter uma medida da rentabilidade para o investidor que opta por locar seu imóvel. Trata-se de uma medida importante para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções de investimento. Em janeiro de 2017, o retorno médio anualizado do aluguel caiu para 4,3%.

Os preços considerados para o cálculo do Índice se referem a anúncios para novos aluguéis. Ou seja, o Índice FipeZAP de Locação não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis em contratos vigentes (cujos preços são comumente reajustados periodicamente pelo IGP-M/FGV ou índices similares, de acordo com os contratos estabelecidos). Desta forma, o Índice FipeZAP de Locação representa de forma mais dinâmica a evolução da oferta e da demanda por moradia ao longo do tempo.

Dicas para Alugar um Imóvel

1 – Se você pretende alugar um imóvel, o primeiro passo é restringir a área de busca para facilitar a pesquisa. Escolha dois ou três bairros, levando em conta o seu dia a dia, a proximidade do trabalho, da escola dos filhos, e a infraestrutura que a região oferece (supermercados, escolas, padarias, bancos, etc).

2 – Defina antecipadamente também as características que o imóvel deve ter para você e sua família. Qual a metragem ideal? É imprescindível ter vaga de garagem? Quantos quartos? O condomínio precisa ter área de lazer? Essas respostas vão diminuir seu trabalho na hora de procurar.

3 – Converse com um corretor de imóveis claramente sobre as suas necessidades. Estipule uma faixa de preço de aluguel compatível com a renda familiar. Não se esqueça de considerar os encargos como IPTU e condomínio no cálculo de sua capacidade financeira.

4 – Jamais alugue um imóvel sem conhecê-lo, por mais que a descrição seja a de uma maravilha. Fotos são uma boa ferramenta de divulgação de uma casa ou apartamento, mas não mostram os possíveis problemas e as verdadeiras condições de preservação.

5 – Quando tiver feito sua escolha, visite o imóvel mais de uma vez, em horários diferentes. Observe a incidência de sol, a iluminação e o movimento da rua à noite, os possíveis ruídos externos. Se for um apartamento, procure falar com os moradores, o porteiro e o síndico sobre eventuais problemas no prédio e os cuidados com a segurança.

6 – Verifique, junto com o proprietário, as condições do imóvel. Preste atenção em defeitos como torneira quebrada, manchas de infiltrações e azulejos rachados. Faça um Termo de Vistoria, anotando o estado de conservação do imóvel. É uma forma de você evitar problemas no futuro.

7 – Veja com o corretor qual a garantia solicitada (fiador, seguro-fiança e caução) e se ela se enquadra ao seu perfil. É importante saber: a cobrança antecipada do valor do aluguel (mês a vencer) somente poderá ser exigida pelo proprietário se o inquilino não oferecer uma dessas garantias.

8 – Leia atentamente o contrato, riscando os espaços em branco. Esclareça qualquer dúvida que possa surgir, por mais simples e inocente que ela pareça. Se preciso, consulte um advogado especializado ou um órgão de defesa do consumidor.

9 – Devem constar no contrato o valor do aluguel, o índice de reajuste, a duração da locação, multas por atraso no pagamento, multa por rescisão antecipada, forma e local do pagamento, etc. Este documento é indispensável para sua segurança. Reconheça firma em cartório.

10 – O reajuste de aluguel é anual e o índice de correção mais usado é o IGP-M. Não pode ser aplicada variação de salário mínimo ou de moeda estrangeira. A cada três anos, o valor da locação pode ser alterado ao preço de mercado e tanto o proprietário quanto o inquilino têm direito de solicitar essa revisão. É importante que as partes tentem dialogar e fazer um acordo amigável neste momento.

11 – O inquilino poderá deixar o imóvel antes do prazo, desde que pague a multa estabelecida em contrato (geralmente três meses de aluguel). Entretanto, essa multa deve ser proporcional ao tempo restante da locação; por exemplo, se o inquilino cumpriu 20 meses de uma locação com prazo total de 30 meses, o proprietário só poderá cobrar a multa proporcional ao período restante, ou seja, 10 meses. Assim, se a multa estipulada é equivalente a 3 meses de aluguel o inquilino só pagará o valor relativo a 1 mês de aluguel.

12 – Ao desocupar o imóvel, o inquilino, após cumprir suas obrigações, deve solicitar o comprovante de quitação e entrega das chaves à imobiliária ou ao proprietário.

13 – O proprietário que quiser vender o imóvel terá que comunicar ao inquilino, por escrito, e lhe dar preferência na compra. Se essa comunicação não for feita, o inquilino poderá exercer seu direito de preferência.

14 – Se o imóvel for vendido e o contrato de aluguel estiver no prazo determinado, cabe ao novo proprietário respeitar os meses restantes da locação, desde que o contrato esteja registrado no Cartório Imobiliário e tenha cláusula de vigência (estipulação contratual que obriga a manutenção da locação em caso de venda).

15 – Em toda a relação entre o proprietário e o inquilino, as duas partes têm direitos e deveres. Procure cumprir a sua para que o seu período no imóvel transcorra da forma mais amigável e prazerosa possível. Veja quais são as principais obrigações de cada um:

Deveres do proprietário (locador):

Entregar o imóvel em condições de uso. Se o inquilino perceber qualquer problema após a locação, deverá comunicar ao proprietário e solicitar o conserto, por escrito.
Fornecer os recibos de pagamento do aluguel discriminados.
Pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro complementar contra incêndio. Porém, se no contrato constar que essa obrigação é do inquilino, ele terá que cumprir o que foi estabelecido.
No caso de apartamento, cabe ao proprietário pagar as despesas extraordinárias do condomínio: reformas no prédio, fundo de reserva, troca de cabo de elevador, etc.
Deveres do inquilino (locatário):

Pagar pontualmente o aluguel no prazo e local estipulados.
Utilizar o imóvel conforme determinado em contrato (se para fins residenciais, não poderá ser usado para comércio).
Devolver o imóvel, no final da locação, no estado em que o recebeu.
Não modificar o imóvel sem o consentimento prévio, e por escrito, do proprietário, mesmo que considere que está valorizando o bem.
No caso de apartamento, cabe ao inquilino pagar as despesas ordinárias do condomínio: luz, água, limpeza, salários dos empregados.

Adeus, tijolo!

Obras mais rápidas, limpas e sustentáveis. Com um considerável leque de vantagens sobre como edificações de alvenaria, os sistemas construtivos quadro de aço e madeira quadro começam a sua presença em projetos residenciais, fazer alto padrão às habitações sociais. 

                                                             STEEL FRAME

Com grandes vãos e balanços generosos, esta casa de armação de aço em Campinas, SP, comprova que uma tecnologia pode ser aplicada em qualquer tipo de arquitetura.

Como construtoras, os operadores e os moradores não são os únicos a tirar proveito dos benefícios dos sistemas estrutura de aço e estrutura de madeira – os arquitetos também são favorecidos. “Esses métodos industrializados permitem um controle muito grande do projeto, reduzindo drasticamente um margem de erro”, diz o arquiteto Fabio Muzetti, da Muzetti Arquitetura e Urbanismo, responsável por casa foto acima, de armação de aço. “A construção de uma residência como esta, em média, com metade do tempo de uma fábrica de alvenaria, com custo”, exemplifica Henrique Alfonsi, diretor da Alfonsi Steel Frame, que executou o trabalho. “Tudo começou com uma tela 3D, feita com tecnologia BIM, que contempla todas as etapas da obra. Isso evita incompatibilidades dimensionais, responsáveis ​​por atrasos. Essa versão tridimensional gera um manual de montagem e uma lista de materiais, o que eleva uma precisão das peças e do orçamento “, completa. Outra vantagem, de acordo com o arquiteto Rutherford O. Ocampo, diretor-presidente da Zárya Arquitetura e Engenharia, é uma facilidade de passagem e manutenção de instalações elétricas, hidrossanárias, de gás, ar condicionado etc.

                                                                  Dados da estrutura:

Os painéis que compõem como paredes de armação de aço são formados por perfis metálicos com diversas camadas.

                                                                  WOOD FRAME


Esta residência sustentável em Vinhedo, SP, com 390 m², foi erguida em apenas dez meses com moldura de madeira.

A casa acima foi erigida sob os preceitos da arquitetura bioclimática, integrando sustentabilidade e construção. Além de luz solar e água de chuva para seu abastecimento, ela foi projetada para receber alta incidência de claridade natural, complementada, quando necessário, por iluminação inteiramente de led. Seus 390 m2 ficaram prontos em dez meses, levantados com moldura de madeira pela Tecverde Engenharia. “Num trabalho convencional, com tomografia de dois anos para ser concluída”, comparado com o arquiteto João Paulo Generoso, da Atos Arquitetura, responsável pelo projeto. Semelhante ao quadro de aço, este método industrializado trocar os perfis de aço por madeira. “O quadro de madeira é mais ecológico e maior conforto térmico e acústico. Além disso, a Pedro Moreira, diretor de engenharia e sócio da Tecverde, que contabiliza mais de 100 mil m2 construídos com esse sistema no país. Outro diferencial relevante, segundo João Paulo, “é uma maior facilidade para comprar madeira do que não aço no Brasil. A mão de obra também é mais acessível para o material “. O tempo de trabalho, no entanto, é o mesmo. “A montagem de uma habitação social de 45 m2 dura cerca de duas horas, com uma equipe de quatro ou cinco pessoas eo auxílio de um guindaste”, aponta Pedro. As areas molhadas, a preocupação de quem pretende investigar uma residência do tipo, não correm risco de sofrer infiltrações, pois o conjunto é impermeabilizado. Além disso, qualquer projeto pode ser adaptado para o quadro de madeira, desde que possua até quatro pavimentos. “Esse é o limite para uma tecnologia disponível no Brasil”, diz Pedro.
Detalhes da estrutura:
       

A racionalização das etapas dos projetos de estrutura de madeira diminui como margens de erro e aumenta o controle de qualidade, gerando menos desperdício e resíduos.